Notícias

                                                     

Miguelina Hordashevska era uma jovem ucraniana, estatura média, porte elegante, dotada de grande inteligência e beleza física. Nos olhos verdes acinzentados, transparecia a alegria da felicidade e paz interior. A sua fisionomia sempre calma e serena refletia a grande paz que somente pode ser o reflexo da contínua comunicação de amor total com Deus e com o próximo. Era uma pessoa de caráter ameno, cativante, alegre, expansivo, comunicativo, amigo. De educação aprimorada, de índole piedosa e muito perspicaz; um tanto severa e exigente, embora muito compreensiva. Possuidora de um elevado grau de humildade a ponto de aceitar as sugestões sobre as suas decisões. Não fazia distinções entre as pessoas. Um corpo franzino e delicado, porém, portador de caráter férreo. Muito jovem ainda, já estava com a sua atenção voltada para o Alto. Atenta ao seu cultivo pessoal desejou crescer no corpo e no espírito. Por isso procurou orientação espiritual junto ao sacerdote missionário Padre Jeremias Lomnysky, OSBM.  Sob a sua orientação prudente e segura, a jovem cresceu, amadureceu e tornou-se hábil instrumento nas mãos do Senhor.

Em maio de 1891, Padre Jeremias, concebeu a ideia de fundas uma nova Congregação e lançou o desafio à jovem Miguelina. Era ela a mais indicada para ser o coração da nova congregação, por enquanto apenas embalada pelo sonho do zeloso missionário. Como desejava ardentemente passar pelo mundo fazendo o bem, não hesitou em aceitar a proposta. Assim, em 1892, na Festa da Assunção de Nossa Senhora na pequena aldeia de Zhuzhel, participa da abertura e inauguração da primeira casa. Nesta primeira comunidade, acolhendo outras sete jovens ucranianas, a Irmã Josafata assume tríplice função: Cofundadora da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada, Superiora da Comunidade e Mestra do Noviciado.

A primeira irmã a trilhas os caminhos das Servas de Maria Imaculada, Josafata Hordashevska, aos 22 anos, já almejava que sua comunidade fosse luz, fermento e cumprimento de uma profecia de progresso para um povo que vivia abandonado sob o aspecto moral e espiritual. Foi o coração da Congregação das Servas de Maria Imaculada nos primórdios da sua existência.

Seguindo um projeto baseado no testemunho das verdades evangélicas com a própria vida, Irmã Josafata começou a servir ao povo. A religiosa via claramente os sofrimentos e os desafios do tempo que ela e suas irmãs iriam enfrentar. Nessa época, ela também estava ciente do baixo nível moral, do analfabetismo, miséria física e pobreza de seu povo. Em tais circunstâncias, as irmãs trabalhariam e instruiriam seus irmãos sobre a sua dignidade de filhos de Deus.

O Crescimento das Servas de Maria Imaculada foi Extraordinário. Apenas 10 anos após a fundação, a Congregação já somava uma centena de membros e pelo menos 20 obras. Os ucranianos que viviam em outros países também puderam contar com a presença das irmãs em seu meio.

Veja mais notícias